Dilma se antecipa a ameaça de prisão e diz que está à disposição da justiça

Brasília - A presidenta afastada Dilma Rousseff faz sua defesa durante sessão de julgamento do impeachment no Senado (Marcelo Camargo/Agência Brasil)


Coluna da jornalista Mônica Bergamo, na edição desta quarta-feira (12) da Folha de S.Paulo, revela que a ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) decidiu se antecipar à ameaça de prisão e apresentou petição à Justiça dizendo que ela está à integral disposição para prestar qualquer esclarecimento ou ser ouvida sobre qualquer processo ou investigação criminal.

Alvo das delações do ex-ministro Antonio Palocci, a ex-presidenta com a ação busca se prevenir contra medidas cautelares drásticas – que vem sendo o opus operandi da Operação Lava Jato, intensificado após as eleições.



Recusadas até mesmo pelos procuradores da Lava Jato por falta de provas e usada como arma de campanha por Sérgio Moro, as delações do ex-ministro Antonio Palocci que buscavam atingir o ex-presidente Lula, agora têm Dilma como alvo.

O acordo permitiu a saída de Palocci da prisão e foi firmado depois que ele incluiu, em sua delação premiada, os nomes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff como envolvidos em casos de corrupção.

A ex-presidenta Dilma Rousseff, por meio de sua assessoria de imprensa, divulgou uma nota, na qual repudia veementemente as acusações feitas por Antonio Palocci, em troca de ser transferido para prisão domiciliar, com uso de tornozeleira eletrônica.



Baixe o aplicativo da Central da Esquerda e tenha todas as notícias da esquerda em seu Smartphone

Publicidade