Corte no orçamento da saúde eleva mortalidade infantil, diz Margarida Salomão


“Temer e o golpe devolveram o Brasil à década de 1980”.  Assim reagiu a deputada federal Margarida Lula Salomão (PT-MG) à notícia de que os índices de mortalidade infantil no Brasil voltaram a subir, após 26 anos de reduções sucessivas.



Reportagem da Folha divulgada nesta segunda (16) informa que o índice de mortalidade infantil de 2016 deve fechar em 14 mortes (de bebês com até um ano de vida) para cada mil nascimentos – uma elevação de 5% frente a 2015. A mesma matéria indica que o valor deve ser ainda maior em 2017 e que o Ministério da Saúde atribui a elevação da mortalidade à “crise econômica” e a uma queda no número de nascimentos, associada ao surto do vírus da zika.

“De 2016 para cá, Temer nos faz colecionar um sem-número de tragédias: o País voltou ao mapa da fome e agora convive com surtos de males há muito tempo controlados, como o do sarampo. Tudo isso, é óbvio, está associado à quebra do sistema de proteção criado pelos governos do PT. O fim do programa Farmácia Popular, a defasagem do reajuste do Bolsa Família, a própria redução do número de famílias atendidas, a incapacidade de combater o desemprego, tudo isso contribui para que aumente a penúria na vida do povo. Estamos de volta aos anos 1980”, comparou Margarida.



“Esses dados nos evidenciam uma desgraça, mas que em pouco tempo tende a se tornar uma terrível tragédia. Se a simples redução de programas sociais já contribuiu para o aumento da mortalidade infantil, muito pior será quando surgirem os primeiros efeitos da PEC do Fim do Mundo”, lembra a deputada, referindo-se à Emenda Constitucional 95, que congelou por 20 anos os gastos do governo, afetando particularmente os investimentos sociais.

Para Margarida, o aumento da mortalidade infantil é uma das notícias mais graves do ano e deve ser pauta do Congresso e das eleições. “Trata-se da síntese do que vivemos presentemente: um governo fraco, mal-intencionado e ilegítimo que deve cair o quanto antes. É tempo de o povo voltar a ser prioridade da nação. É isso que defendemos na Câmara e é nessas bases que vamos eleger Lula presidente”, conclui.

Assessoria de Imprensa

 

Baixe o aplicativo da Central da Esquerda e tenha todas as notícias da esquerda em seu Smartphone


Publicidade